‘A tarifa deveria ser R$ 3,09’

O secretário de Transportes do município do Rio de Janeiro, Fernando MacDowell, foi interrogado pela CPI dos Ônibus na tarde desta terça-feira, dia 5 de dezembro. Durante a sessão, o secretário explicou que logo que chegara à prefeitura, no início deste ano, achou necessário verificar o valor da tarifa, que, acreditava ser alta.

Prorrogação da CPI é finalmente aprovada

Depois de muita mobilização, finalmente a prorrogação da CPI dos Ônibus por mais 60 dias foi aprovada. Na sessão anterior, Tarcísio Motta (Psol) apresentou um requerimento com este pleito, mas não conseguiu votos da maioria dos parlamentares. Apenas Eliseu Kessler (PSD), além de Motta, votou a favor da prorrogação.

No decorrer da última semana, a plataforma Meu Rio criou uma campanha para que a população pressionasse Alexandre Isquierdo (DEM), Dr. Jairinho (PMDB), Rogério Rocal (PTB) e Felipe Michel (PSDB) para que votassem pela prorrogação. Além disso, foram deflagradas as prisões da alta cúpula do PMDB na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), por relações ilícitas com a Fetranspor. “Diante deste quadro, seria uma vergonha se não mantivéssemos as investigações entre empresários de ônibus e o poder público no âmbito municipal”, disse Tarcísio Motta.

Durante a sessão, foram interrogados os técnicos da Secretaria Municipal de Transportes Alberto Nogueira Nygaard, coordenador de controle operacional da Coordenadoria Geral de Concessões, e Marcos Tognozi e Rocha, coordenador pela área de planejamento da prefeitura que engloba Bangu, Campo Grande, Guaratiba, Realengo e Santa Cruz (AP-5) da Coordenadoria Geral de Concessões e membro de diversas comissões de licitação para serviço de transporte local.