MPRJ e Defensoria Pública reprovam volta às aulas e pedem explicações

Nesta quarta, 29, o MPRJ e a Defensoria emitiram recomendação ao prefeito Marcelo Crivella para que mantenha as medidas restritivas de isolamento nas unidades de ensino da rede municipal e nas escolas e creches privadas até que existam evidências científicas, provenientes de autoridade médica e/ou sanitária, para uma possível retomada de atividades presenciais de forma segura. Os órgãos deram 48 horas para que o Município envie todas as informações relativas ao atendimento das medidas previstas na Recomendação. 

Clique e confira a íntegra da recomendação do MPRJ e da Defensoria Pública do Estado

Volta irresponsável, greve e busca desesperada por reeleição

Há semanas estamos lutando contra a irresponsável volta às aulas que a prefeitura de Crivella tenta promover. Caso ocorra, só na rede pública, cerca de 700 mil pessoas estariam expostas ao contágio diretamente e tantas outras, indiretamente. Além da falta de certeza e do aval de instituições científicas como a Fiocruz, Crivella não apresentou qualquer planejamento pedagógico, indicativo de compras de equipamentos de segurança, certeza de recursos e muitos detalhes para a garantia mínima de integridade física não só de estudantes e profissionais de educação, bem como de toda a comunidade do entorno das escolas.

Neste quinta, 30, e no sábado, 1º de agosto, profissionais da educação do município e do estado, reunidos pelo SEPE e pelo SinPro avaliam a construção de uma Greve em Defesa da Vida.

Não podemos arriscar a vida e a saúde de nossas crianças, nem de profissionais da educação ou de qualquer pessoa, por conta de uma volta às aulas sem segurança científica e que cheira a uma tentativa de pressão eleitoral por parte do prefeito.

SÓ A LUTA MUDA A VIDA!