Boletim TMJ Educação n. 09 | Semana de 22 a 28 de agosto

QUESTIONÁRIO SOBRE VOLTA ÀS AULAS: RESPONSÁVEIS DIZEM NÃO

A SME enviou, nesta semana, um questionário sobre a volta às aulas para ser respondido pelos responsáveis de alunos das escolas da rede municipal.

Todos sabemos que, em uma pesquisa, a forma como se faz uma pergunta pode induzir uma resposta e, consequentemente, à manipulação de seu resultado. Olha como a prefeitura está fazendo a consulta: “Você deseja que seu (sua) filho (filha) volte a ter aulas normalmente na escola municipal quando ocorrer a autorização da Prefeitura?

É claro que todos nós “desejamos” que os alunos voltem a ter aulas “normalmente”. O que precisa ser perguntado é se o responsáveis se sentem seguros para enviar seus filhos à escola diante do estágio atual da pandemia e das condições físicas e sanitárias totalmente inadequadas das escolas!

Mesmo com toda indução, levantamento feito pela CBN dos dados colhidos até o momento, revelou que a grande maioria dos responsáveis é contra a retomada. 

MIGRAÇÃO JÁ

Crivella diz em live que vai efetuar a migração de carga horária, uma reivindicação antiga dos profissionais de educação. Nunca houve por parte da SME preocupação em deixar claros os prazos e critérios para a ampliação de jornada. É fundamental e mais que necessário que a migração aconteça. 

Esse projeto da Prefeitura chega com bastante atraso para corrigir mais essa injustiça.  Coincidentemente, ele aparece em vésperas de eleição. Mas, a necessidade de ampliação do quadro de pessoal pela enorme carência de profissionais de educação – mesmo com a migração – permanecerá. Portanto, é preciso que a migração seja feita e também sejam chamados os profissionais que estão no banco de concursados – inclusive muitos que já fizeram a Escola de Formação Paulo Freire.

DENUNCIE NO ZAPEDUCA

O Observatório da Educação Democrática Carioca, criado em 2019 pelo mandato do vereador Tarcísio Motta, é um espaço para receber denúncias relacionadas ao funcionamento das instituições de ensino da cidade e defender a liberdade de cátedra.

Cresce o número de relatos de assédio a professores e funcionários relacionados à pressão para uma precipitada volta às aulas nas redes pública e particular. Também são muitos depoimentos que denunciam a negligência do poder público em garantir o direito das crianças à alimentação. São recorrentes os relatos de atraso e falta de organização na entrega de cestas básicas e cartões com geração de aglomerações nas escolas. 

Através do ZapEduca (21) 97486-6060 você pode fazer sua denúncia de forma segura e anônima, relatando casos de negligência, perseguição, assédio e autoritarismo no ambiente escolar.