Os frutos da CPI dos Ônibus
e as mentiras da Máfia dos transportes

RETROSPECTIVA 2021: PREFEITURA ACATA RECOMENDAÇÕES, MAS MÁFIA DOS TRANSPORTES INSISTE EM MENTIR

Entre 2017 e 2018 participamos da CPI dos Ônibus na Câmara Municipal do Rio. E, apesar de sermos a minoria e nosso relatório ter sido reprovado pela Comissão, o documento se tornou base para ações do MP e da Prefeitura do Rio. Ao mesmo tempo em que ele foi usado para congelar o preço das passagens até que as empresas de ônibus entreguem suas planilhas com os custos reais de operação – o que não aconteceu até hoje, serviu para ações importantes do município.

Ainda no início de sua nova administração, Paes enviou projeto à Câmara que separou a operação do sistema e a arrecadação da bilhetagem eletrônica, criando uma empresa pública para o gerenciamento deste processo. No segundo semestre de 2021, houve a abertura de processo licitatório para tirar das mãos da máfia dos transportes o controle da bilhetagem, uma das causas principais de um complexo sistema de propina apontado pelo MP no Estado, mas que também recairia sobre as empresas que operam na capital.

Além disso, assim como apontamos em nosso relatório, a Prefeitura quer a caducidade do edital de 2010. Ou seja, o fim das concessões e a abertura de um novo processo já que as empresas e consórcios estiveram longe de cumprir com suas obrigações e há anos vêm tendo lucros indevidos sobre o dinheiro da população. Entretanto, como Máfia é Máfia, ela não vai deixar barato. Mesmo com a prefeitura aceitando as recomendações do nosso relatório da CPI dos Ônibus, os empresários entraram na justiça pra tentar manter seus privilégios. Chega de mentira! Chega de máfia! Confira o vídeo no qual explicamos direitinho o que está em jogo: